“Faça somente o seu trabalho e deixe o Espírito Santo fazer o dele”

Foto

“Que o seu foco na evangelização não seja converter as pessoas, mas apenas compartilhar o amor de Cristo”

Najjar* é um jovem colaborador que evangeliza muçulmanos no Oriente Médio e tem boa experiência no que faz. Atualmente, ele ministra entre os refugiados árabes.

“Países como Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia estão sempre abrigando as pessoas que fogem de seus países por causa das guerras e da perseguição religiosa.

É um grande desafio para as igrejas locais que os recebem. Os líderes das igrejas na Europa e América do Norte estão se questionando sobre a forma como devem se conectar com os recém-chegados, então pensei em compartilhar minhas experiências e espero que sejam úteis para todos aqueles que Deus confiou um trabalho como esse: evangelização de refugiados”, diz ele.

O jovem descreveu tudo o que aprendeu durante seu ministério: “Antes de evangelizar, ouça. Não comece falando, pregando ou organizando, mas invista um tempo ouvindo as histórias que eles têm para contar.

Depois, faça desafios com perguntas difíceis a respeito de Deus, sobre o sofrimento no mundo e as diferenças entre religiões.

Aprenda a ouvir as respostas sem julgar e entenda que eles estão passando por um momento muito difícil, tendo que lidar com perdas e frustrações. Faça refeições com eles, tenha interesse em suas tradições, isso pode ser divertido para todos.

Então, passe a fazer orações, independentemente das crenças envolvidas. Use uma linguagem simples, seja compreensível e torne o ambiente descontraído.”

O colaborador explica que os refugiados têm lembranças traumáticas e que precisam criar novas imagens em suas mentes. “Ajude-os nessa tarefa, fazê-los rir é terapêutico, principalmente para os jovens”, explica.

Najjar também fala sobre a importância de visitar os refugiados em seus novos lares, ainda que sejam moradias temporárias. Se fazer presente e se importar pode refletir o amor de Cristo na vida e na família deles.

Tenha tempo disponível para diálogos e conversas mais demoradas e sempre ofereça oportunidade de se lamentarem. Seja uma pessoa confiável e eles sempre se abrirão com você. Eles podem se mostrar sempre na defensiva, afinal sofreram muito, tenha paciência.

Prepare-se para um trabalho com todas as idades e que seu foco não seja convertê-los ao cristianismo, mas apenas compartilhar o amor de Cristo. Essa decisão tem que partir deles. Faça somente o seu trabalho e deixe o Espírito Santo fazer o dele”, conclui Najjar.