NOTÍCIAS QUENTES
Capa / Notícias / Crime / A força do PCC: base em todos os Estados e seis países
A força do PCC: base em todos os Estados e seis países

A força do PCC: base em todos os Estados e seis países

Passados dez anos da série de ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) em São Paulo contra agentes públicos de segurança, o grupo só fez crescer – e não apenas no Brasil.

À medida que as receitas da organização crescem, expandem-se também seus limites territoriais.

Se, em 2013, após três anos e meio de investigações, o Ministério Público Estadual (MPE) concluiu que a facção se espalhava por 22 Estados, Distrito Federal, Bolívia e Paraguai, hoje o PCC se faz presente em todas as 27 unidades da federação e já tem bases também na Argentina, no Peru, na Colômbia e na Venezuela.

Segundo o MPE, há evidências nas investigações que mostram contatos diretos de integrantes do PCC com o Exército do Povo Paraguaio (EPP), um grupo terrorista contrário ao governo local, e com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

“O foco está no tráfico de drogas e armas com todos os países listados. Começamos a verificar, por exemplo, o uso de fuzis argentinos no Brasil por parte de integrantes do PCC recentemente”, conta o promotor Lincoln Gakiya, de Presidente Prudente.

No Brasil, a presença do PCC, além de São Paulo, é mais forte em Mato Grosso do Sul e no Paraná, por causa da fronteira com os países que têm bandos parceiros da facção.

Segundo investigações, aos poucos, o grupo está deixando de lado os intermediários e assumindo a compra direta de drogas. É o caso de Fabiano Alves de Souza, conhecido como Paca e apontado como o único integrante da cúpula em liberdade.

Segundo a polícia, ele vive no Paraguai e envia droga para o Brasil sob encomenda da facção. Paca estava preso no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) até 2014, quando recebeu um habeas corpus da Justiça. Sua prisão preventiva foi decretada pouco depois, mas ele nunca mais foi encontrado.

Segundo o procurador de Justiça Márcio Sérgio Christino, “eles (os integrantes do PCC) conseguem ocupar uma região, um Estado, um país, porque há espaço. Há espaço porque conseguem fornecer drogas. É uma relação comercial”, afirma.

Fonte> Veja.com

Sobre Anaildo Colonia

Mundo Gospel

Apocalipse, da Record quer alertar o mundo sobre volta de Jesus
Convenção CEADEB indica nome para presidência da ADESAL
Descobertas ruínas da “fortaleza de Salomão”, mencionada na Bíblia
Após orações de amiga, judia se entrega a Jesus e abandona vida de vícios
Igreja Universal rebate Globo após “ataques mesquinhos”
Billy Graham completa 99 anos: ´Não sou um grande pregador, apenas dou o meu melhor´
Samuel Câmara oficializa desligamento da CGADB e forma nova convenção
Durante culto, jovem se converte e confessa assassinatos
Hinos da Harpa ganham versão em desenho animado
Damares apesenta novo videoclipe
Usado por Deus: Jimmy Mansur, um ministério impactante
Um grande legado: Pastor Adão Ferreira Lima, Monte Alegre em Guaratinga-Bahia
Scroll To Top