Atletas brasileiros são forçados a esconder fé cristã em campeonatos na Rússia

Às vésperas da Copa das Confederações na Rússia, que terá início em 17 de junho, atletas brasileiros têm praticado o cristianismo de maneira quase clandestina.

Jogadores de modalidades como futebol, futsal, snowboard e lutadores de jiu-jítsu temem ser reconhecidos em cultos e enquadrados como possíveis suspeitos devido ao pacote de medidas contra o terrorismo sancionado pelo presidente Vladimir Putin no ano passado.

Embora o objetivo das medidas seja deter o avanço do extremismo e fortalecer a Igreja Ortodoxa, as restrições atingiram a Igreja Evangélica e religiões minoritárias.

Na Bola de Neve Church da Rússia, por exemplo, a maioria dos frequentadores é formada por jogadores de futebol. Fundada no Brasil pelo pastor e surfista Rinaldo Seixas, a denominação é representada na Rússia pelo médico e pastor brasileiro Felipe Campos Sestaro.

Os atletas estão espalhadas por sete células da igreja espalhadas por Moscou, São Petersburgo e Kursk, fato cada vez mais raro devido ao controle do estado russo sobre as reuniões religiosas.

“Sou pastor e estou no olho do furacão. Vivo na sombra e, se eu for denunciado, vou preso. Vivo apreensivo, na marginalidade. Mesmo assim, sou cauteloso em julgar”, disse Sestaro ao jornal O Globo.