Audiência dos suspeitos de matar casal acontece nesta terça

Foto

A primeira audiência dos cinco acusados de matar um casal está prevista para acontecer nesta terça-feira (10), às 9h, no fórum da Comarca de Guaratinga.

Fabrício Trevizani, de 34 anos, e Marycélia Silva Bobbio, de 24, foram mortos a tiros enquanto dormiam em uma fazenda na BA-283, entre Itabela e Guaratinga, em outubro de 2017.

A audiência terá a participação dos advogados e dos réus, e não será aberta ao público porque o caso corre em segredo de Justiça. 

Serão ouvidos Daniela Pinho de Souza, de 26 anos, Jhonatan da Silva Teixeira, 25 anos, Rafael Barbosa da Silva, que não teve idade divulgada, Taniro Francisco Ribeiro, 23, Eferson Queiroz Santos, 28, e um adolescente de 17 anos, que foi apreendido na época do crime.

Os suspeitos foram presos dias depois do duplo homicídio, após investigações entre as Polícias Civil de Eunápolis e Itabela, e foram encaminhados para o Presídio de Teixeira de Freitas, onde aguardam julgamento.

Conforme as investigações, Daniela Pinheiro de Souza, que é ex-mulher de Fabrício Trevizani, teria encomendado a morte dele e da atual mulher para que o filho que teve com Fabrício pudesse ficar com os bens só para ele, já que Marycélia estava grávida.

Ainda nas investigações, o namorado Daniela, Jhonatan, é apontado como executor das vítimas. Ele teria pedido o auxílio dos outros suspeitos para praticar o crime, conforme a investigação.  

De acordo com a Justiça, o caso ainda está em processo de interrogatório, e essa será a primeira audiência onde as partes que foram citadas, testemunhas e acusação e defesa, serão ouvidas pelo juiz.

O júri será conduzido pelo juiz Rodrigo Quadros de Carvalho. 

O julgamento dos suspeitos deve ocorrer no próximo ano. 

O CASO:

As vítimas Fabrício Trevizani e Marycélia Bobbio foram atingidas pelos criminosos pela janela do quarto onde dormiam. O filho de Marycélia, na época de quatro anos de idade, também estava dentro de casa, dormindo na sala, mas não se feriu. 

O grupo ainda fez um caseiro como refém na ação. Ainda conforme a Polícia, enquanto três suspeitos mantinham o caseiro rendido, os outros se dirigiram até o local onde atiraram contra as vítimas.

O caseiro foi liberado depois do crime pelos criminosos e não se feriu. 

A polícia informou que na época do crime todos confessaram envolvimento no duplo homicídio, exceto Rafael, que trabalhava como segurança privado em um hospital de Eunápolis.

 

 

 

 

 

Fonte> Bahiadiaadia