Bancada evangélica quer o fim de “ideologia de gênero” nas escolas

Foto

Às vésperas do segundo turno, a Frente Parlamentar Evangélica (FPE) divulgou o manifesto “O Brasil para os Brasileiros”, onde fazia uma série de sugestões para o novo governo.

Na ocasião, apenas o candidato Jair Bolsonaro (PSL) aceitou recebê-lo, mas não fez menção de que implementaria as propostas na íntegra.

O documento de 60 páginas, assinado pelos integrantes da FPE propõe, entre outras coisas, uma “revolução na educação”.

O manifesto condena abertamente o “uso político-partidário das escolas e universidades públicas”.

Para os seus signatários, as instituições de ensino público “se tornaram instrumentos ideológicos” que preparam os jovens para uma revolução comunista nos moldes que ocorreu na Rússia.

Ainda sem ter divulgado como será o novo Ministério da Educação, o presidente eleito já deu a entender que pretende combater a “doutrinação” nas escolas.

Ele é um conhecido apoiador do projeto “Escola Sem Partido”, que está prestes a ser votado no Congresso.