Delator da Lava Jato diz que pagou R$ 532 mil para o PT de propina de Belo Monte

Foto

O empresário Milton Pascowitch declarou que uma propina de R$ 532.765,05 paga em espécie para o Partido dos Trabalhadores teve origem nas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira (PA). Segundo o delator da Operação Lava Jato, preso na 13ª fase, o dinheiro veio da empreiteira Engevix, passou por sua empresa, Jamp Engenheiros, e foi entregue por ele ao ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

“O declarante foi convocado por João Vaccari para uma reunião na sede do Partido dos Trabalhadores, quando Vaccari lhe informou que a Engevix deveria ‘contribuir’ com a agremiação política em razão do contrato de gerenciamento que a mesma detinha, referente às obras de Belo Monte; Que o declarante reportou a questão a Gerson Almada, que concordou com o pagamento; Que foi pago o valor bruto de R$ 532.765,05; Que o valor foi ressarcido à Jamp por meio de um contrato firmado com a Engevix com objeto específico de Belo Monte”, diz parte do trecho da declaração da PF, de acordo com o portal.