Homem que teve sua família morta em ritual satânico, vira missionário e combate a feitiçaria

Para o pastor e missionário James Cuffee, a feitiçaria é real, é perigosa e mortal.

Ele afirma isso com autoridade, pois viu seu próprio pai morrer porque “quebrou as regras” durante um ritual e sua prima também foi morto pelas mãos de uma bruxa, que afirmava ter o poder de se transformar em uma árvore.

Em áreas profundamente remotas da Libéria, um dos pontos mais famosos do mundo pela prática da feitiçaria, a luta contra o ocultismo e o perdão de Cristo são os aspectos mais fortes do trabalho dos missionários.

“Eu vim de um lar pagão. Meu pai era um ótimo caçador”, disse o pastor Cuffee, do Ministério ‘Christ Evangelistic Fellowship’, na Libéria disse a The Christian Post em uma entrevista por email.

O missionário disse que os praticantes de feitiçaria exigiam que seu pai fizesse sacrifícios aos deuses da terra.

“Eles [poderiam] dizer-lhe para trazer arroz, frango e carneiros, eles [iriam] realizar o seu ritual e levá-lo à grande rocha branca, na selva.

Eles costumavam adorar a rocha, acreditando que existe um poder supremo ali.

Eles iam e se prostravam, até mesmo adorando as florestas altas e os rios profundos”, lembrou ele.

Quando o pai de Cuffee quebrou as regras em 1969, ele foi morto. Mas ele não foi o único membro da família que Cuffe perdeu na feitiçaria.

“Minha prima também foi morto pela bruxa quando ela e sua amiga tinham uma [disputa], o que levou a uma briga entre elas, [e a bruxa] prometeu matar minha prima”, relatou.

Alguns meses depois, a prima de Cuffee foi para a selva para buscar lenha para acender o fogão. Foi quando a bruxa, ordenou a uma árvore: “se transforme em uma árvore seca”.

“Quando ela (a primo) foi aquela árvore para tirar lenha, imediatamente o tronco caiu sobre ela e quebrou suas coluna”, disse ele.

 

 

 

Fonte> CPADnews