IURD acusa Globo de perseguição religiosa no RJ

Foto

As organizações Globo, através de seu canal de televisão e os sites jornalísticos ligados a ela, vem fazendo uma série de denúncias contra a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e o prefeito Marcelo Crivella, que é bispo licenciado da denominação.

Uma delas é sobre a realização de “eventos em escolas públicas” no Rio de Janeiro. 

Uma das reportagens da emissora retratou as ações da IURD como uma suposta violação do Estado laico.

A igreja emitiu uma nota com todas as explicações, mas reclama que foi censurada, pois não ganhou o direito de resposta esperado.

Além disso, o juiz Rafael Cavalcanti Cruz, da 7ª Vara de Fazenda Pública do Rio, determinou que o prefeito Crivella seja “impedido de usar espaços públicos para a realização de proselitismo religioso e de conceder privilégios para a utilização destes locais por pessoas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus”.

A denominação lembra que “eventos comunitários são frequentemente realizados em espaços públicos, como praças e escolas, por diferentes entidades, inclusive pela Rede Globo de Televisão – empresa que todos os anos desenvolve a chamada “Ação Global”.

Destaca também que a Universal mantém 13 programas sociais, que atenderam 9 milhões de brasileiros em 2017, e que todos são gratuitos.

Além disso, o Extra, jornal que pertence à Globo, fez um levantamento sobre a utilização de espaços públicos no Rio de Janeiro e “a Igreja Católica foi a que mais utilizou unidades da rede: foram 24 ocasiões (…) Já igrejas evangélicas utilizaram os espaços 16 vezes — sendo cinco para a Universal”.

A explicação apresentada pela IURD afirma que há “perseguição religiosa” por parte do Grupo Globo e “com a Constituição Federal nas mãos, combateremos o preconceito contra os evangélicos”.

 

 

 

Fonte> Gospel Prime