MST ocupa unidades da Codevasf e fábrica da Suzano

Foto

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) retomou a agenda de ocupações no interior do estado e ocupou as unidades da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Juazeiro, Bom Jesus da Lapa, Barreiras e na fábrica de celulose da Suzano, em Mucuri. Ao todo, 1,4 mil participaram das ações, que resultaram na paralisação das atividades nesses locais.

De acordo com o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), as ocupações seguem um cronograma nacional. “Além de pedirem o retorno da presidente afastada Dilma Rousseff, também denunciam problemas socioambientais provocados pelo uso de agrotóxicos”. “Queremos que a Dilma retorne ao seu cargo.

Ela foi eleita pelo povo nas urnas e foi golpeada por corruptos. Tem de nos devolver o Ministério do Desenvolvimento Agrário [MDA], não adianta só investir no agronegócio e na geração de trabalho escravo.

Precisamos seguir os avanços na reforma agrária popular e dar mais condições para os assentados produzirem alimentos sem agrotóxicos”, defendeu o dirigente nacional do MST, Evanildo Costa.

No caso da fábrica Suzano, a questão é a atuação da empresa para ampliar a produção de eucalipto transgênico usando agrotóxicos. “Empurram com a barriga há décadas essa questão dos impactos ambientais.

E essa protelação acabou por atingir as poucas áreas de cultivo das famílias do campo, que estão sendo afetadas pelo uso desses produtos químicos, inclusive com a contaminação de solo, das águas e até mesmo do ar.

Temos de criar condições para manter o trabalhador no campo, em seu local de origem e não criar condições para ampliar o êxodo rural”, argumenta Costa.

Fonte> Bahianoticias