Pastor morto no Jacarezinho é enterrado com homenagens de fiéis

Foto

Foi enterrado, na tarde deste domingo, no cemitério de Inhaúma, o corpo do pastor Vagner Honório Lopes, de 47 anos, morto na comunidade do Jacarezinho, ao ser confundido com um policial por traficantes do local. A cerimônia foi acompanhada por cerca de 500 pessoas, entre familiares e fiéis da igreja comandada pela vítima. A mulher da vítima, a dona de casa Kátia Honório, de 46, disse que o marido era amado pela comunidade e que ele sempre buscou a paz no local.

— Não quero citar nomes, mas o que eu peço é paz para a nossa comunidade. Vivemos numa guerra e precisamos que a nossa comunidade seja pacificada — desabafou a viúva que estava casa com Vagner há 25 anos.

Mais velho dos quatro filhos do pastor, o jardineiro Rodrigo Albert Honório, de 28 anos, disse que ainda busca forças para entender a morte do pai.

— Ele era amado pela comunidade. Ele não merecia ter este fim trágico. Eu e meus outros três irmãos nos tornamos órfãos de pai por conta desta violência do Rio de Janeiro.

Muitos amigos do pastor que estavam presentes no enterro denunciaram a falta de policiamento na comunidade.

— Estão vendendo uma história de que nossa comunidade é pacificada, mas isso é tudo mentira. A UPP só funcionou quando foi implantada, hoje, nem vejo policiais direito. O estado perdeu novamente.

Apesar das reclamações sobre a falta de segurança na comunidade, o sepultamento foi marcado por manifestações religiosas e cânticos. Uma fiel disse que o pastor mencionava nos cultos que no dia de sua morte não haveria tristeza, apesar louvor e adoração.

A Divisão de Homicídios da capital (DH) investiga o caso.

Fonte> EXTRA