Pastor preso foi obrigado a comer vidro quebrado e chumbo

O pastor Nguyen Cong Chinh sempre terá uma cicatriz em sua cabeça para lembrá-lo dos anos em que ficou preso, sendo espancado e torturado com regularidade por se “atrever” a pregar o Evangelho, contrariando o governo comunista do Vietnã.

Chinh foi preso mais de 200 vezes ao longo de três décadas, após várias acusações falsas, como “minar a solidariedade nacional” quando fez discursos defendendo os direitos humanos e a liberdade religiosa.

Graças à pressão da comunidade internacional, o pastor que fundou a Sociedade Evangélica do Povo do Vietnã foi libertado no ano passado e obrigado a sair do país junto com sua família.

Eles agora vivem nos Estados Unidos e vem dando testemunhos em várias igrejas sobre suas terríveis experiências e denunciando as prisões ilegais de 170 outros “prisioneiros de consciência” na República Socialista do Vietnã.

Falando em um evento sobre liberdade religiosa internacional, Chinh explicou que “o governo vietnamita tem uma política de perseguir alguns para assim intimidar muitos”.

Segundo revelou, somente nas últimas duas semanas, os tribunais vietnamitas condenaram nove defensores dos direitos humanos a um total de 83 anos de prisão.

“Nas prisões do Vietnã, os prisioneiros de consciência se saem pior do que os criminosos comuns”, alertou.

“Eles estão sujeitos a várias medidas, como confinamento solitário, impureza na água, falta de comida, falta de acesso a cuidados médicos, acesso negado a suas famílias e são proibidos de outras atividades com outros detentos”.

 

 

Fonte> Gospel Prime