Pimentel programa gastar R$ 718 mil em jantares para os palácios de MG

Pimentel Governador

Em plena crise econômica e com salários dos funcionários públicos atrasados, o governo de Minas Gerais planeja gastar R$ 718 mil em lagosta, queijos e outros produtos de alta gastronomia este ano.

As cozinhas dos palácios Tiradentes e da Liberdade, ambos gabinetes do governo estadual, e Mangabeiras, residência oficial do governador Fernando Pimentel (PT), receberão 75 quilos do queijo grana padano, de origem italiana (R$ 193 o quilo), 40 quilos de filé de lagosta (R$ 197 o quilo) e 140 quilos de carré de cordeiro, proveniente do Uruguai (R$ 150 o quilo), entre outros produtos.

Além da comida, o governo mineiro está gastando R$ 191 mil para receber flores para a decoração dos palácios. Foram quatro pregões para abastecer o ano de 2016 desses artigos.

O valor das compras dos pregões, realizados entre dezembro de 2015 e este mês, totaliza R$ 718 mil. Segundo o governo, esse montante é uma previsão e inclui gastos de outros poderes e para comitivas internacionais.

Na última terça-feira (19), Pimentel pediu desculpas em vídeo aos funcionários públicos de Minas Gerais pelo atraso e parcelamento dos salários das pessoas com remuneração líquida mensal superior a R$ 3.000.

“No ano passado, fizemos muita economia. Cortamos os gastos da máquina pública (,,,) ainda assim não foi possível evitar a medida (o atraso e parcelamento dos salários) que tivemos que anunciar”, afirmou o petista no vídeo.

O déficit no orçamento do Estado este ano é estimado em R$ 8,9 bilhões. As receitas previstas são de R$ 83,10 bilhões frente a R$ 92,02 bilhões de despesas.

Outro lado

Por meio de nota, a assessoria do governador disse que as compras de gêneros alimentícios se “referem a contratos de fornecimento para os palácios Tiradentes, da Liberdade e Mangabeiras, para todo o ano de 2016”.

“Os valores e quantitativos também são estimados porque a entrega dos produtos só ocorre de acordo com a necessidade. O processo, no entanto, não foi homologado ainda e está parado neste momento. Portanto, o recurso não foi utilizado este ano”, diz a nota.

Ainda de acordo com o informe, “esses gêneros são utilizados na preparação de alimentação para autoridades, incluindo de outros poderes e até mesmo comitivas internacionais que utilizam os espaços para o trabalho diário. Sendo assim, o gasto é para manutenção da rotina de governo”, informa a assessoria.

“A compra de flores atende às necessidades de organização de cerimônias formais, comuns às administrações públicas. Os pregões são realizados com quantidades estimadas. A utilização e o consequente gasto efetivo ocorrem de acordo com a necessidade específica de cada evento e solicitada pontualmente”.

Veja alguns gastos do governo mineiro

  • Camarão – 180 kg – total R$ 36.360
  • Filé de lagosta – 40 kg – total R$ 7.880
  • Bacalhau – 260 kg – R$ 21.840
  • Carré de cordeiro uruguaio – 140 kg  – R$ 21.000.
  • Picanha maturada argentina – 250 kg – R$ 27.500
  • Queijo grana padano – 65 kg – R$ 14.475

 

 

Fonte> UOL.com