“Se amar a Cristo é um crime, então sou um criminoso”, diz pastor egípcio

O pastor Majed El Shafie é um ex-muçulmano convertido a Jesus. Em 1998, ele ficou na prisão de Abu Zabal, no Cairo, durante sete dias.

Ali, foi torturado por ser o líder de uma organização cristã. A proposta dos policiais era que ele entregasse aqueles cristãos em troca de liberdade e benefícios como uma casa e um carro.

Mas Shafie não estava disposto a trair sua fé. Em vez de delatar seus irmãos na fé, o líder pronunciou um único nome: Jesus Cristo.

Por causa disso, sofreu mais três dias de tortura e prisão até que foi enviado a um hospital policial, onde permaneceu três meses até se recuperar.

“Eles afundaram minha cabeça em baldes de água fria e quente.

Me penduraram de cabeça para baixo. No terceiro dia, soltaram cães para me atacar, mas eles não atacaram. Depois disso, fiquei crucificado por dois dias e meio”, lembra.

Shafie explicou que não ficou preso à cruz com pregos, mas que teve suas mãos amarradas.

Além disso, acabou sendo condenado à morte por três acusações, o que deveria calar sua fé para sempre: organização contra a autoridade egípcia, tentativa de mudar a religião oficial do país e adoração a Jesus Cristo.

 

 

 

 

Fonte> Gospel Prime