Silas Malafaia é alvo da PF em operação contra fraude em cobrança de royalties

Foto

A PF (Polícia Federal) deflagrou nesta sexta-feira (16) a Operação Timóteo, que apura um esquema de cobranças judiciais de royalties da exploração mineral devidos por mineradoras a municípios, com a Vale entre as empresas prejudicadas. O pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro (RJ), estaria entre os alvos da operação.

Uma fonte da PF informou que o esquema envolvia a participação de um diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral que abordava prefeitos para oferecer envolvimento no esquema de corrupção. Aparentemente, segundo a PF, Malafaia poderia ter envolvimento no esquema, sendo utilizado para lavagem do dinheiro.

As investigações da PF apontam que Malafaia teria recebido valores do principal escritório de advocacia responsável pelo esquema. A suspeita a ser esclarecida pelos policiais é se Malafaia teria emprestado contas-correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

O pastor foi levado hoje de manhã pela PF exatamente para depor sobre o assunto. Ele está depondo desde cedo. Ainda não há informações sobre a resposta de Malafaia às acusações, mas espera-se que ele as dê publicamente mais tarde.

De acordo com a PF, cerca de 300 policiais federais cumprem mandados de busca e apreensão em 52 diferentes endereços. Também estão sendo cumpridos 29 madados de conduções coercitivas, quatro mandados de prisão preventiva, 12 mandados de prisão temporária, sequestro de três imóveis e bloqueio judicial de valores depositados que podem alcançar R$ 70 milhões.