Suicídio de pastores: “Eles não são super-heróis”, comenta Pastor Ronan Dorneles

Foto

As notícias sobre o suicídio de pastores deixaram a Igreja Brasileira em alerta e vários grupos começaram a pensar em formas de abordar o tema com os pastores e ajudá-los em questões emocionais, dando apoio, se preocupando com a saúde mental deles.

Em entrevista ao Site, o pastor Ronan Dorneles de Sousa, que é formado em psicologia, comentou sobre o que pode levar um líder religioso conhecedor da Palavra a tirar a própria vida e fez um alerta: “o pastor tem que saber que ele não é um super-herói”.

“O pastor, por mais capacitado que ele seja ele precisa entender o seu limite e ele tem que saber que ele não é super-herói, ele tem suas limitações”, declarou o pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus Nação Madureira de Palmas (TO).

Como profissional da área de psicologia, ele lista uma série de razões que podem levar alguém a tirar a própria vida, entre elas a ansiedade, o arrependimento, o remorso, perda de um ente querido, baixa estima, transtornos mentais, abusos sexuais, entre outros problemas de ordem emocional ou hormonal.

“São vários os fatores. A ciência classifica o suicídio como biológico, dizendo que ele é a baixa das taxas hormonais, causada por disfunções neurais.

Outros falam de genética, por meio de um modelo psicológico que leva a pessoa a se matar. Outros listam os fatores sociais, pressão coletiva”, explica.

Como teólogo, o pastor diz que a Bíblia tem seis casos de suicídio, como Judas e Sansão. Mas não é possível determinar se a pessoa que comete suicídio está ou não condenada.

“É preciso ver qual o motivo que levou a pessoa a se suicidar. Uma pessoa que está sob qualquer pressão, essa pessoa não pode responder pelo ato que a levou a morte.

Eu prefiro contar com a misericórdia de Deus. Temos que deixar Deus julgar”, declarou o pastor.

Ele ainda cita que, em seu modo de ver, uma pessoa que confessou Jesus, mas adoeceu e essa doença (como a depressão) a levou a cometer suicídio não deverá ser condenada.

“Eu acredito na equidade de Jesus Cristo e que essa pessoa não será condenada. Mas uma pessoa sadia é diferente”.

Nos últimos meses noticiamos alguns casos de suicídio entre pastores brasileiros. Números que crescem não apenas no Brasil, mas em outros países onde o assunto já vem sendo trabalhado diante das proporções que vem alcançado.

Como um pastor que ajuda tantas pessoas pode se perder em seus próprios problemas? Para o pastor Ronan Dorneles é o motivo é a falta de entendimento para encaminhar os fiéis com problemas para especialistas, no lugar de deixar todas as situações nas mãos dos pastores.

“Nós, pastores, temos muitos objetivos a serem alcançados e muitos não estão preparados. Há casos que devem ser tratados por advogados, por psicólogos, por médicos, por outros especialistas.

O pastor deve se preparar para ministrar a palavra e acompanhar as pessoas. Eu acredito no poder da oração, na força do jejum e na Bíblia, mas só isso não nos capacita para resolver os problemas de nossos fiéis”, afirma.

Muitas vezes é esse sentimento de frustração que leva os líderes a adoecerem e optarem pelo suicídio.

 

 

 

Fonte> JMNOTÍCIAS